2 de fevereiro de 2010

Um passo de um gigante

O iPad, recentemente lançado, constitui um passo de gigante no mundo multimédia.

Depois de parcialmente testado com enorme sucesso no iPhone, o novo sistema pretende, nada mais nada menos, do que revolucionar a internet móvel, cortando com o actual sistema.

No sistema actual, está o Google. A sua plataforma Android é aberta e portanto são muitos os smartphones que recorrem ao sistema. Os aparelhos são ainda relativamente caros mas daqui a uns tempos estarão muito mais acessíveis.

Todos os navegadores conhecem o Google. Todos conhecem o Google. É a internet aberta, disponível, acessível. Que lidera hoje em dia. É o presente.

Mas do outro lado, passa a estar a Apple que promete uma multimédia "do outro mundo".

Com o iPad passa a haver um formato para livros – através do qual poderemos num livro de medicina  vasculhar o corpo humano com filmes e cores e sons aos quais nunca tivémos acesso, ou num livro de história, visualizar com grande pormenor e rigor uma batalha.

E passa a haver um "novo" formato para  imprensa e media actualizada continuamente na internet, com filmes, textos e galerias de fotos.

Já para não falar dos jogos e no cinema. Tudo estruturado numa plataforma que já é conhecida. O iTunes.


As vantagens do Google estarão no facto de que todos já estão habituados à internet aberta e também no preço.

Mas a Apple conta com uma vantagem que pode maracar a diferença: os grandes produtores de conteúdos estão do seu lado: estúdios de cinema, gravadoras, jornais, revistas, editoras, game houses.
Quem produz conteúdos quer, obviamente, um ambiente no qual possa vender o que produz e já aceite pelo mercado . E a Apple dá-lhe isso.

E, se os melhores conteúdos estiverem fora da internet aberta, talvez a Apple possa inverter as regras do jogo.

Ao decidir concorrer com a web, Steve Jobs, depois de ter estado doente, faz a segunda coisa mais ousada de sua carreira, depois do computador pessoal. É um passo de um gigante.

Sem comentários: