27 de junho de 2011

Fusão









 
Sushi Café Avenida
 
almoço rápido
boa comida
decoração "demasiada"
preço razoável
serviço correcto
excelente sommelier Armindo Saraiva, de quem já tinha saudades
 

26 de junho de 2011

...

tantas coisas nos últimos dias. nas últimas semanas. tantas... tantas... boas
caminhos certeiros. trilhos excitantes. vitórias. progressos.
o resto é lateral
mas há a sensação que por uma coisa muita boa, acontecem meia dúzia de más. todas elas em ão
senão, difamação, investigação, traição, desilusão
não interessa. sempre foi assim
as boas são únicas, inesquecíveis, superlativas
algumas também em ão.
eleição, paixão, educação, diferenciação, verão
são...
e ainda podem ser melhores.
vão ser.

10 de junho de 2011

...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.


Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.


O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.


E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

2 de junho de 2011

Decreto-Lei n.º 67/2011, de 2 de Junho


O Ministério da Saúde agrupou os centros de saúde e os hospitais do distrito de Bragança e do município de Vila Nova de Foz Côa numa nova empresa pública, a Unidade Local de Saúde do Nordeste, EPE (ULS do Nordeste, EPE), de acordo com um diploma publicado hoje em Diário da República.

A ULS é uma pessoa colectiva de direito público de natureza empresarial, dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, nos termos do Decreto -Lei n.º 558/99, de 17 de Dezembro, alterado pelo Decreto -Lei n.º 300/2007, de 23 de Agosto, pela Lei n.º 64 -A/2008, de 31 de Dezembro, e pela Lei n.º 55 -A/2010, de 31 de Dezembro. E tem sede na Avenida do Abade do Baçal, Bragança.

O memorando de entendimento para a ajuda externa a Portugal  embora estabeleça a necessidade de os hospitais cortarem custos em 200 milhões de euros até 2012, incluindo a redução de pessoal de gestão, por via da concentração e racionalização dos hospitais públicos e centros de saúde, impede o Governo de criar novas empresas públicas centrais.

Não parece de todo a melhor altura para publicar este diploma.